trindir.net
indian desi xvideo outside river pron
beylikduzu escort
sikis
porno
escort pendik
escort antalya
real life cam hd porn movies
sisli escort mecidiyekoy escort kadikoy escort beylikduzu escort alanya escort atakoy escort
gaziantep escort
gaziantep escort
erotik film izle Rus escort gaziantep rus escort
casino siteleri en iyi casino siteleri bahiscom
deneme bonusu
lara escortlar
superbetin
bahsegel
bonus veren siteler
Bonus Veren Bahis Siteleri - bahiscikiz.com
casino siteleri anadolucasino çevrimsiz bonus
Comunic Comunicação Estratégica

A fonouadióloga Magali Aparecida Orate é a nova Diretora de Extensão da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp). Ela é Coordenadora do Serviço de Fonoaudiologia pela Famerp/Funfarme e Superintendente da Fundação do Apoio ao Ensino (Faepe).

“Quando recebi o convite fiquei muito feliz com a confiança da diretoria, estou na instituição há 33 anos e minha expectativa é de desafio. Nós fazemos a parte de extensão dentro das disciplinas, é um trabalho muito importante. Levamos os alunos à comunidade e ampliamos o que já vivenciamos nas disciplinas”, conta.

Desde a sua oficialização em 1999, a Diretoria de Extensão da Famerp, preocupa-se em organizar, apoiar e estruturar os programas e projetos vinculados à extensão. Realiza parcerias e convênio com instituição de ensino. Realiza parcerias e convênios com instituições de ensino ou serviço, governamentais ou particulares, buscando financiamento de projetos comunitários extensionistas nos aspectos: social-humanístico, cultural, artístico e educativo.

“Temos diversos projetos em execução. Como, por exemplo, o IFMSA, programa de intercâmbio dos estudantes entre os países, o projeto Canguru, do Hospital da Criança e Maternidade, projeto Adolescer, com orientação nas escolas… Além das Ligas Acadêmicas, que realizam atividades extracurriculares de pesquisa, ensino e extensão em uma determinada área da Saúde. Todos com o objetivo de promover alguma melhoria social”, diz a diretora.

De acordo ainda com Magali, os projetos foram bastante prejudicados com a pandemia, já que os alunos não tiveram como ir até a comunidade. Segundo ela, a previsão para esse ano é de ampliar as parcerias para que as atividades não parem.

“A atuação dos alunos fora da faculdade é um trabalho fundamental para que eles tenham noção de como é a comunidade, diferente de quando estão em contato com os pacientes dentro das instituições de saúde. O cuidado de conseguir melhorias no meio social proporciona também um crescimento para esse aluno. Ele aplica todo o conhecimento e estrutura para que a sociedade tenha uma melhor qualidade de vida, é uma troca”, conclui.