Comunic Comunicação Estratégica

 

Figura conhecida na faculdade, Seu Bizuti é o responsável pela obra feita à mão

Há quase 30 anos, quem passa pela Faculdade de Medicina de Rio Preto – Famerp nos dias que antecedem o Natal tem uma parada obrigatória: o laboratório de preparação bioquímica. Ali se encontra uma verdadeira obra de arte montada e exposta por Onivaldo Bizuti, ou o Seu Bizuti, como é conhecido. O sucesso da obra é tanto que no local chegam a passar mais de 500 pessoas para conhecer o tradicional Presépio de Natal, montado com 4 metros de extensão e imagens dos Três Reis Magos, Maria, José e o Menino Jesus, em um cenário com casas, torres, velas e igrejas feitas artesanalmente por Seu Bizuti.

A tradição começou em 1994, quando ele ganhou um pequeno presépio de uma das professoras da instituição e desde então a tradição só foi se expandindo. Aos 72 anos de idade e há 53 trabalhando na instituição, todos os anos o profissional escolhe um tema para homenagear sua montagem. A novidade esse ano ficou por conta da construção de uma maquete do prédio principal da Famerp, que ficará ao lado do presépio, e feita para salientar a importância da faculdade e todos os seus colaboradores para a história da cidade. “Esse ano resolvi homenagear todos os colaboradores que fizeram parte da história da Famerp. Precisamos ter essa lembrança e o sentimento de gratidão às pessoas que ajudaram escrever o nome da nossa querida faculdade durante todos esses anos”, disse o preparador de aulas práticas.

Seu Bizuti ainda arruma um jeitinho de fazer o bem com sua exposição do presépio. Durante as visitações são recolhidas doações à Igreja Menino Jesus de Praga. “É pouco, mas todo mundo ajudando se transforma em algo grande”, explica. A exposição é aberta aos alunos e profissionais da Famerp e pode ser visitada até os primeiros dias de janeiro.

Para o Diretor Geral da instituição, Dr. Francisco de Assis Cury, a exposição do Seu Bizuti marca o final de um ano abençoado e a renovação dos votos para o ano que logo começa. “Todos os anos, incentivamos o Bizuti a continuar com a tradição por sempre trazer à tona um pouco de paz aos nossos dias. É algo que representa o nascimento de Jesus Cristo, que é o verdadeiro sentido do Natal”, afirmou o diretor.